João Batista Silva
CapaCapa
TextosTextos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos

Mitos e Lendas
Às sete horas e trinta minutos do dia primeiro de abril, um sábado, em que, de manhã o sol já era escaldante. Parecia mais épocas finalizadoras do verão. Um português, da cidade de Coimbra, que se mudou para o Brasil, estabelecendo-se na Região do Centro-Oeste Mineiro, convida alguns amigos para uma excursão à margem do Rio São Francisco. Senhor Rodolfo, o português, não esquece os apetrechos de pescaria e na primeira oportunidade foi conferir os velhos pesqueiros, que conhecera em outras ocasiões. O dia, o local, prometiam uma pescaria inédita e o Sr. Rodolfo, se esqueceu de consultar o relógio Ômega, folheado a ouro, duas tampas, XIV R, que havia herdado de seu pai. E o tempo foi passando, até que a senhora Margarida Helena, sua esposa, muito preocupada, resolve pedir à filha Dayse, a caçula, para ir ao encontro do pai.
Sua filha, a mocinha mais linda de toda a região, sai descalça, direcionada ao rio. Logo à frente, uma grande lagoa, conhecida por Lago das Sereias, um local onde todos temiam pescar, ou até mesmo molhar os pés naquela água. Peixes, patos, animais disputavam o espaço em bandos e cardumes. A pequena se encantou e procurou um local sombrio para descansar e apreciar a beleza selvagem da localidade. Os surubins nadavam de um lado para outro e ela ali a distrair-se, como se não existisse ninguém mais por aquela região, somente ela, a natureza e seus pensamentos.
Mas aquele calor era ameaçador e já havia passado das quinze horas. Ela resolve despir-se, ficando apenas de... e joga-se nas águas quentes do lago. De repente... Uma caravana de pescadores descobriu as encostas e dirigiu-se em direção ao lago, com propósito de conferir a estória da sereia. As recomendações do líder foram feitas em tom de voz adequada, para não assustar a tal sereia. E lá se foram todos. Um pescador amador, mas conhecedor da topografia naquela região, conseguiu andar mais rápido e teve o privilégio de presenciar toda a cena. Ela estava a descansar deitada lateralmente à margem do lago, onde o bosque era coberto de árvores e uma sombra emocionante convidava para tal comportamento.
De repente, o silêncio!
Todos pararam e muito assustados. Voltaram imediatamente, amedrontados. Era o medo da sereia... Quando aquele ser mitológico, metade mulher, metade peixe, percebeu as visitas, jogou-se dentro da água, tentando se proteger.
Que ótimo! O pescador passou também por banhista, ou até mesmo por um interessado em divulgar a beleza, que acabava de ver e caiu água adentro também. Quando ficou próximo reconheceu-a. Era mesmo Dayse, filha do português Rodolfo.
Esse sonho o pescador Santiago Américo gostaria que não fosse sonho, que não fosse estória de pescador.
Mulher, onde quer que você esteja, a beleza está! Porque você é bela! Seus encantos são comoventes.

Bom Despacho, 07 de Outubro de 2004, às 07h.
João Batista Silva
Enviado por João Batista Silva em 14/03/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Retirado do Livro "As Aventuras de Uma Paixão", autoria de João Batista Silva, páginas 51 e 52.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras