João Batista Silva
CapaCapa
TextosTextos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos

As Entrevistadas
As entrevistadas são duas personagens, extremamente especiais para o mundo em que vivem e acreditam no amor como suporte de um convívio no espaço que cada uma ocupa, diante do tempo em disponibilidade relacionado, o desejo de viver felizes e as consequências das decisões tomadas.

Estela d´Alva, uma linda e prendada menina de vinte e um anos, morena clara, cabelos lisos e compridos, estudante. Seus pais já participavam do período da melhor idade. Costumavam dificultar que a moça se ausentasse e não deixavam-na acompanhar seus amigos em meio às classes sociais.

Esmeralda, uma princesinha encantadora, morena clara, vinte e um anos, olhos escuros, estatura mediana, de um manequim inimitável. Estudante, seus pais usufruindo da melhor idade e um pouco liberais, mas distantes do esperado por aqueles jovens ousados da época em que namoros de mãos dadas já afrontavam em muito os pais conservadores.

O jovem Diamantino se comprometeu para com as entrevistas que não tardaram. Muito organizado e confiável, não media esforços para cooperar ao máximo com os pais na vida educativa das filhas, das noivas, etc.

Diamantino foi direto ao assunto e se dirigiu às entrevistadas com suas colocações, em tons leves e apreciativos. Empolga-se diante das primeiras perguntas que são dirigidas às duas lindas moças. Com aquele jeito másculo de ser, de falar, foi se entregando através das ideias, às duas princesas, que procuravam responder atenciosamente.

-O que pretendem da vida?

Estella retorceu de uma lado para o outro e foi soltando suas imaginações.

- Pretendo conseguir tudo que uma jovem da minha idade espera da vida.

Esmeralda murmurou um pouco: - Entrevistas em grupo tira a liberdade das respostas. Mas sem dúvida, pretendo conseguir todas as chances que a vida oferecer-me nesse mundo de esperanças e saudades.
Diamantino retorce o bigode e fixa os olhos nas estrelas a brilhar no azul celeste e prontifica outra pergunta: Vocês são estudantes e até aonde pretendem chegar?

- Eu me coloco à disposição das aulas todos os dias, de corpo e alma. Pretendo me formar em Contabilidade, ou ao menos auxiliar na sonhada disciplina. É um curso amplo e eu gosto do que faço, responde Estella.

- Sou a favor dos estudos e não pretendo decepcionar meus pais. Se for da vontade de Deus, pretendo me formar no Magistério e ser uma educadora a colaborar com as crianças de nosso país, responde Esmeralda.

- Vocês são duas lindas jovens, de aparências incomuns. Chego a me preocupar com tanta beleza. São simpatias de dois extremos, que deixam muitos jovens inspirados, na esperança de uma oportunidade no diálogo ao anoitecer, ao amanhecer e em todos os bons momentos da vida... Quem pretendem namorar?

Estella dirige-se ao entrevistador:

- Sr. Diamantino...!

E vai logo desabafando:

- O Sr. foi recomendado por nossos pais, não é mesmo? Minha vida é um livro aberto aos leitores e pretendo namorar e me casar, ter uma vida normal como mamãe, vovó, etc.

- Meu namorado será aquele que concordar com as exigências de mamãe e papai e principalmente com as minhas. Ser confiável, lindo de alma e atitudes, carinhoso e eu me simpatizar com ele, é claro, confirma Esmeralda.

Diamantino, com outra pergunta maliciosa na ponta da língua:

Falem-me de vocês, principalmente das características psicológicas.

- Sou geniosa, calma, às vezes, difícil de entender, não costumo voltar atrás com as coisas que digo, ou decisões que tomo, mesmo que eu me sinta a principal prejudicada nesse imenso universo de tantas insatisfações, disse Estella.

- É difícil falar ou avaliar a própria pessoa. Sou como todas, gosto das coisas corretas, do ético, tenho um gênio muito forte que chega a prejudicar-me. Creio ter encontrado um moço capaz de entender-me - acrescenta Esmeralda.

- Para encerrar nossa entrevista com liberdade de expressão, vocês poderão falar o que desejarem, continuando Diamantino.
O amor é duradouro enquanto a vida existir, infinito, é acalentador.

- Acreditar no amor é viver na esperança de um dia amar infinitamente alguém que você goste sem se preocupar com o ontem e com o amanhã. O importante é viver o amor até o último segundo da vida, concluíram as duas moças.

Estella e Esmeralda são duas pessoas extremamente geniosas, bondosas, artistas nas tricotagens, crochê, nos bordados, na educação dos filhos. São verdadeiras secretárias do lar e da família. Que a vida dê a vocês grandes oportunidades de se encontrarem na paz, na saúde e felicidades, diante do amor, que cada uma se empolgue, para expressar com exclusividade.

BOM DESPACHO, 31 DE OUTUBRO DE 2004, ÀS 22:53 H.
João Batista Silva
Enviado por João Batista Silva em 08/05/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras